Paulo Milreu – Mentor, Coach, Consultor, Palestrante, Professor, Empresário e Empreendedor

Renildo: funcionário durante o dia, Uber à noite e finais de semana. Sem preguiça.

Quando fui solicitar o Uber um alerta: neste momento o valor teria um impulso de 1,3x. Fui entender o que era isso. Por alguma razão (talvez aumento da demanda), eu pagaria 1,3 vezes mais o valor normal. Bom, valia a pena! O Uber é pelo menos 50% mais barato.

Ah! Os últimos Uber que usei foram UberX, carros mais simples, até Honda Civic.

Renildo foi mais um Uber que conheci em um trajeto curto, de quase 4 Km, em Barueri, ontem à noite. E novamente uma pessoa muito educada e simpática, com uma história de vida muito inspiradora. Renildo trabalha já, é funcionário de uma empresa de logística das 8 as 18h. Sua atividade como Uber é apenas às noites e finais de semana. Ele tem um Ford Fiesta bem novo.

Jovem, no máximo 30 anos, ele já tem um filho de 15 anos e agora está chegando outro para aumentar a família: sua esposa está grávida de 5 meses de outro menino.

Faz apenas 2 meses que começou a trabalhar com o Uber, como oportunidade para aumentar sua renda. E me conta que algumas semanas já atingiu um ganho de R$ 1.000,00 livre das taxas do Uber e de combustível (claro, aqui não se computa o desgates do veículo e a manutenção). Diz que realmente é complemento de renda, que ele não teria esse dinheiro adicional se ficasse em casa assistindo televisão.

Sua esposa não gostou de início, pois o tempo livre para a família, ele está trabalhando. Mas, quando ela viu entrar esse dinheiro extra, ficou feliz. Nas palavras dele: “Quando a mulher vê que entra um dinheirinho a mais, ela fica feliz, pode fazer as unhas, fazer suas coisas”. Claro, ele reforça a importância desse dinheiro extra com a chegada de um novo membro na família: “Você sabe o preço de um pacote de fraldas? Custa R$ 45!”.

A conversa segue fluindo bem e ele faz sua análise do cenário do país, dizendo que nesta época difícil, de crise, ninguém sabe o dia de amanhã, e ter esse trabalho adicional pode ajudá-lo caso algo possa acontecer (creio que ele pensou em uma possível demissão, algo assim).

Seu irmão está desempregado e ele ofereceu seu carro para ele trabalhar como Uber, pois durante o dia ele é funcionário, o veículo fica parado o dia todo. Em suas palavras: “Se ele quer trabalhar, tem como”.

Renildo é mais um trabalhador brasileiro, que agora empreende com o Uber, enxergando novas possibilidades para sua família, tendo um complemento de renda, e até mesmo uma alternativa caso fique desempregado. Renildo não está parado, e por isso ele está crescendo.

Fechar Menu