Paulo Milreu – Mentor, Coach, Consultor, Palestrante, Professor, Empresário e Empreendedor

Maria: de empresária a motorista do Uber

Hoje novamente decidi solicitar um Uber mesmo tendo táxis na frente do hotel. E essa decisão tem sido cada vez mais favorável ao Uber versus as decepções com táxis na grande São Paulo.

Quem me atendeu foi a Maria, em torno de 60 anos, que chegou pedindo desculpas pois o Waze a tinha levado para o local errado. Eu estou em Barueri e a Maria mora no Morumbi, e portanto longe de casa conhece pouco a região. Muito educada, pedia desculpas e se explicava. Bom, nunca recebi um pedido de desculpas de um taxista. Não que me lembre.

Entrei no seu Honda Civic, ar condicionado ligado e temperatura agradável (na semana passada fui obrigado à entrar em um táxi e novamente tive que pedir para o taxista ligar o ar condicionado), e começamos um papo agradável. Costumo perguntar “por que Uber?”.

Maria foi empresária durante 25 anos, junto com o marido (hoje ex-marido), onde construíram o patrimônio da família. Tem 2 filhas, uma mora na França. Depois da separação conjugal, ainda continuou por mais um ano na empresa com o ex-marido, mas a convivência não deu certo. Saiu, e se viu em casa, sem conseguir se recolocar no mercado de trabalho.

Um dia estava com a filha e resolveram solicitaram o Uber. E ela percebeu que ali tinha uma oportunidade. Já tinha um bom carro, não queria ficar em casa assistindo televisão (como ela mesmo me disse: “Trabalhei minha vida inteira, não consigo ficar em casa assistindo televisão”). Faz 3 semanas que Maria começou a trabalhar “como Uber”. Não sabe ainda se será definitivo, se é temporário, mas está tendo uma receita média semanal de R$ 1.000,00 já descontadas as taxas do Uber (nesse valor tem que descontar o combustível e manutenção do veículo). Mas ela sabe que tem Uber ganhando muito mais, pois ela ainda não descobriu locais que os passageiros procuram trajetos que garantem um pagamento muito maior. Esse agora é o desafio de Maria.

Maria não sabe se continuará “como Uber”, mas acredita que é um trabalho digno como outro qualquer. Nesse ritmo Maria terá uma receita bruta mensal de aproximadamente R$ 4.000,00 o que é muito mais do que muitas pessoas que acabaram de concluir uma faculdade ganham. E ainda pode aumentar essa receita.

Maria é o nome verdadeiro dessa Uber (o Uber mostra no recibo apenas o primeiro nome), e ela é mais uma brasileira em busca de trabalho e não apenas de emprego.

Fechar Menu